domingo, fevereiro 20, 2005

Tão simples

Eu não era doido assim...
Mas acho que estou ficando doido sim!
Entrei pela janela do teu coração,
Entrei porque as encontrei escancaradas...
E não resisti à tentação de te trazer para a minha loucura privada.
Tão simples assim...
Uma noite quente de verão,
Uma janela aberta no coração,
Sedento de todos os sentimentos,
Sem nem ao menos pensar, entrei querendo ficar...
Querendo libertar o que está preso em mim.
Sem compromisso, dia ou hora marcados...
De um jeito deliciosamente irresponsável,
E arrebatadoramente adolescente,
Como um banho de chuva de verão...

4 comentários:

Cris disse...

Alexandre, da forma mais simples q sei dizer:
Este foi o poema mais bonito q li na minha vida!
Beijo

Águas de Março disse...

Quando as janelas do coração estão abertas, entrar de assalto, assim, deliciosamente irresponsável e arrebatadoramente adolescente, é do melhor que há!
Um abraço amigo

JOANA disse...

Que bonito... :)

Anónimo disse...

Abençoada seja quem te inspira assim! E para que não ralhes comigo (outra vez), li o que estava para trás, tudinho. Não comentei porque sabes que o tempo é quase nulo. Juntando a tudo o que já sentia, fica aqui a expressão da minha imensa admiração. Faço-te uma vénia. Sentida e merecida. Não conheço ninguém que escreva melhor que tu. Quase me apetece dizer que não existes.... És bom demais para ser verdade, em todos os aspectos que conheço de ti. Deixo-te um beijo, ainda mais sentido e merecido. Fernanda